sábado, 24 de março de 2012

bença, pai

- antes de sair, pede bença pro pai. Que é pra não acontecer de algo ruim te pegar no meio do caminho, e espera ele responder pra estar abençoada. Pede bença pra mãe também, que ela protege você. Se nem pai nem mãe estiverem presentes, terem saído pra comprar pão e café, e no lugar se encontrar apenas o avô, pede bença pro avô também, que avô abençoa, é sangue do mesmo sangue, é família. Mas enche a boca de fé e carinho, porque pedir bença é sagrado, é fazer de pai e mãe pequenos deuses. O pai porque protege a mãe e o filho, e a mãe porque cede seu corpo para a criação. E se você é filho, tem que pedir bença pro pai e bença pra mãe, encostando a sua pele na pele deles que é pra benção completar a proteção que foi selada no destino divino do sangue do mesmo sangue. É família.

1 opiniões:

Jonathan F. Vasco disse...

Amei esse seu conto!!! :)

Ah,Oi! :P
È que eu tava fuçando,fuçando a madrugada inteira na internet e achei seu blog,por acaso.

Adorei ele inteiro,mas especialmente esse conto!
É tão simples e poetico. Lindo!
Nunca tinha parado para pensar no detalhe e na importancia humana desse gesto. Até agora...:)

Obrigado por escrever!
Parabéns!
E continue escrevendo! ;)

Jonathan F. Vasco.

 

lacrônico, o espaço das crônicas. © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates